LOFT MINIMALISTA E ILUMINADO

Jacira Pinheiro assina a Casa DOA, loft minimalista e iluminado, voltado para momentos de meditação, no Casa Cor Rio

Com uma paleta de brancos e cinzas, o espaço evoca uma atmosfera de relaxamento, com vista para a Baía da Guanabara.

A arquiteta Jacira Pinheiro assina a Casa DOA na edição carioca da Casa Cor: um loft iluminado de 90m², que se debruça sobre a Baía da Guanabara, em tonalidades claras e com escolhas minimalistas que traduzem a vocação de “templo particular” do espaço: “busquei apresentar um ambiente integrado que proporciona a tranquilidade de um lar real, em que é possível meditar, relaxar e revigorar as energias. Em tailandês, ‘DOA’ significa ‘oração’”, explica Jacira.

Para traduzir esse clima, a arquiteta apostou em uma decoração atemporal, com poucos móveis e objetos cuidadosamente selecionados que remetem à memória afetiva, em uma paleta de tons claros brancos e acinzentados, com toques de preto e madeira. Os pontos de cor ficam à cargo das muitas plantas, distribuídas em vasos de diversas alturas, que conferem frescor e vida ao ambiente.

Todo o mobiliário é Artefacto: os estofados são em linho branco com alguns detalhes em couro natural, além de peças em madeira e cinza claro. A cama, sob medida, tem a cabeceira e laterais revestidas em tecido com padrão pied de poule. As estantes do quarto e do living são assinadas pela arquiteta e, para compor a mesa de jantar, foram mescladas cadeiras e um banco. Sobre ela, o clássico pendente LBB01, desenhado por Lina Bo Bardi para a Casa de Vidro.

Na área social foi usado um piso cimentado com ranhuras que remetem aos veios da madeira, papel de parede no teto rebaixado e textura nas paredes. Na longa parede que se estende da sala ao quarto, o tijolinho cimentício foi aplicado na paginação vertical, ocupando 2/3 de sua altura – “esse recurso confere o visual de lambri e reforça a integração dos espaços”, comenta a arquiteta. No lado oposto ficam a lareira ecológica à álcool e a cozinha embutida, que ganhou armários produzidos com MDF de madeira de reflorestamento e Dekton com aparência de mármore.

Uma estrutura de metal e vidro, como um aquário, delimita a área de banho, que ganhou revestimento de pastilhas sobre o piso e em meia-parede. Cuba e metais assinados por Jader Almeida e uma banheira com hidromassagem complementam a função SPA do cômodo, que conta ainda com persianas para conferir maior privacidade.

SOBRE AS OBRAS DE ARTE:

·       As obras de arte são de fundamental importância na composição do espaço, estabelecendo um diálogo com a proposta de refúgio atemporal da Casa DOA. A seleção, que contou com o auxílio do produtor Aldi Flosi, traz polípticos da série 66 de Marco Veloso, em carvão sobre papel; esculturas de troncos de árvores, com tinta acrílica sobre madeira, do Véio; escultura em relevo Preto, de Galvão; a serigrafia Manequim, de Iberê Camargo; e duas obras de guache sobre papel de Felippe Sabino, todas da Galeria Inox.

·       Da Galeria Quadra, vieram o quadro Frescor, de Thainan Castro; uma obra de Alexandre Baltazar; quadro de Marcio Almeida, posicionado sobre o sofá; Um vaso de Matheus Chiaratti e louças de Amanda Mei. O quadro com dados que formam a palavra Believe é da Codex e outros objetos de arte – Coração, Unicórnio e Menino – são da Sui Objetos.

O resultado final, segundo Jacira, é um living com cozinha e suíte completa ideal para um casal ou uma pessoa solteira: “o projeto foi pensado com aproveitamento máximo do espaço, com ambientes confortáveis práticos e bem definidos, com toda funcionalidade para receber família e amigos. É um lugar de tranquilidade, para meditar, orar e deixar os problemas lá fora”, conclui a arquiteta.

Facebook
Facebook
Twitter
LinkedIn
Instagram