PROJETO BACANA PARA APARTAMENTO ALUGADO

Arquiteto João Panaggio assina projeto para área social de um apartamento alugado, em Copacabana

Durante 10 anos, o casal morou com dois amigos e durante a pandemia sentiu a necessidade de ter um canto próprio, com a presença apenas de Oliver, o primeiro pet a integrar a família.

Arquiteto João Panaggio sentado no chão e o casal de moradores Pablo à esquerda e Fábio à direita com o pet Oliver


Neste primeiro momento, eles decidiram alugar um apartamento na mesma região onde já moravam, em Copacabana, e logo chamaram o arquiteto João Panaggio para promover as primeiras mudanças, começando pela área social. O apartamento fica no sétimo andar, com janelas que enquadram a paisagem de Copacabana vista sobre a copa das árvores, garantindo amplitude visual, iluminação natural e boa ventilação nos ambientes que se encontram na fachada principal do prédio, como a área social e um dos quartos.  

Não houve mudança na planta do imóvel, apenas no layout, que foi reconfigurado.
A execução do projeto foi feita em apenas 15 dias. “Assim que pegamos as chaves do imóvel, entramos com as equipes de pintura, iluminação e marcenaria”, lembra o arquiteto.

Em uma obra anterior, o ambiente social foi integrado a um terceiro quarto do apartamento, dando origem a uma grande sala em plano aberto, que ganhou novo projeto e intervenções. “Optamos por manter a integração dos espaços pensando em setorizações que permitissem aos moradores e visitas estarem sempre juntos, ainda que explorando funções variadas, seja no ambiente de estar com tv, home office, bar ou sala de jantar. Dessa forma, a setorização dos espaços acontece através da diferenciação dos materiais escolhidos, texturas, cores e iluminação”, explica o arquiteto.

Apartamento alugado em Copacabana assinado pelo arquiteto JOÃO PANAGGIO

Por ser um imóvel alugado, o arquiteto fez intervenções com iluminação, pinturas e marcenarias pontuais, combinadas com mobiliários de design soltos que podem ser facilmente transportados para um novo endereço. No décor, o projeto combina elementos clássicos (como as boiseries na parede maior da sala e as sancas de gesso no teto) com peças e materiais que remetem ao estilo industrial.


A pintura verde das paredes replicada também no teto cria um visual inesperado, com efeito de caixa, logo na entrada do apartamento. Além disso, o arquiteto adequou o pequeno espaço aos novos hábitos pós pandemia.

Na sala de jantar, a combinação de molduras aplicadas na parede (que lembram as clássicas boiseries) com a seleção de mobiliários confere seriedade e elegância ao espaço. Ao lado, foi criado um canto de leitura com a poltrona Paulistano, de Paulo Mendes da Rocha, quadro do artista Beto Gatti e plantas em vasos de barro natural apoiados em suportes de metal preto, de diferentes alturas, da @verdeideia.

Já no home office, uma bancada única de trabalho se estende ao longo de uma das janelas da sala, voltada para as copas das árvores. A moldura em marcenaria aplicada em todo o vão delimita a transição dos espaços, assim como a escolha da textura em cimento queimado.

O arquiteto desenhou também um móvel com função de bar, que foi executado em marcenaria e fixado em uma das paredes na extremidade da sala.

A sala de estar com tv é assumidamente o ambiente mais descontraído da área social, com pegada sutilmente industrial. Destaque para o grande banco sob a janela (revestido com ladrilhos brancos e rejuntes pretos), as paredes com textura cimentada, a marcenaria desenhada pelo arquiteto para resolver os armazenamentos necessários e os mobiliários assinados por designers brasileiros, como a poltrona assinada por Felipe Protty, da Novo Ambiente.

Quanto a paleta de cores da área social, o arquiteto optou por uma base neutra em tons de cinza nas pinturas e marcenaria, pontuando com cores mais vivas no estofamento do sofá e nas obras de arte. No hall, a ousadia ficou por conta do color block verde, dando destaque ao pequeno espaço apenas aplicando a mesma pintura nas paredes e no forro do teto e criando ali um efeito de caixa.

 Autoria do projeto: Arquiteto João Panaggio, do escritório Panaggio Arquitetura.

·        Ano do projeto: 2020

·        Instagram: @joaopanaggio

·        Tipo de imóvel e localização: Apartamento linear em Copacabana, bairro na Zona Sul do Rio de Janeiro.

·        Área total do imóvel: 98 m2

·        Metragem somente da área social trabalhada pelo arquiteto: 45 m2

·        Perfil dos moradores: Casal na faixa dos 40 anos, com dois pets da raça Cavalier King Charles Spaniel – Oliver e Thomas. Fábio, 44 anos, é contador na empresa de consultoria de tecnologias e analytics PSR; Pablo, 40 anos, trabalha embarcado como rádio operador.

·        Pedidos dos clientes: Ao visitar o apartamento pela primeira vez, o casal deu total liberdade de criação ao arquiteto. Apenas pediram um home office na sala (em função da pandemia), um móvel-bar para receber os amigos e que fossem mantidas algumas características originais do imóvel, combinando-as com uma proposta de décor mais despojada.

·        Destaques do décor: Com a opção de ser iluminado embaixo, o grande banco solto sob a janela da sala de estar foi executado em marcenaria, revestida com ladrilhos brancos de piscina. O projeto é repleto de peças de mobiliário assinadas por designers brasileiros, como as banquetas Caíque de Felipe Madeira, a poltrona Pliant Boomer de Felipe Protty, a poltrona Paulistano de Paulo Mendes da Rocha, a mesa de centro C41 de Marcus Ferreira e, do designer Jader Almeida, a luminária de piso Memory, os bancos Philips e as mesas de apoio Jardim.

·        Maior desafio do projeto: “Intervir no espaço de forma que as soluções apresentadas pudessem ser facilmente transportadas para um novo endereço, em caso de mudança, já que se trata de um imóvel alugado”, avalia o arquiteto.

·        Fotógrafo: Wallace Nogueira (@wallnog)

Advertising

Twitter
LinkedIn
Instagram